terça-feira, 31 de março de 2015

ALDEIA NOVA

Este é um livro (de bolso) de contos de Manuel da Fonseca, que conta apenas com umas modestas 159 páginas. No prefácio explica como o livro foi publicado, enquanto mofava numa pilha de livros de escritores novatos, esquecida lá num canto da editora. Aquelas coincidências que contribuíram para que saísse do anonimato, quando a probabilidade, ontem como hoje, era que apodrecesse lá naquele canto juntamente com os restantes.

Os 12 contos que se seguem foram escritos entre finais dos anos 20 e finais dos anos 30 - do século passado, obviamente. São histórias (aqui apetece escrever estórias, com a distinção que os brasileiros usam comummente) singelas do dia a dia do povo que habitava algumas aldeias e vilas alentejanas da época. Mas não deixam de denotar uma certa crueza ao relatar as vidas duras de trabalho de Sol a Sol, as doenças e mortes incompreendidas de novos e velhos, as intrigas e mexericos locais, a arrogância de uns, a boçalidade de outros, enfim um povo manifestamente humano, com todas as suas alegrias, tristezas e sofrimentos. Apesar dessas vivências maioritariamente pouco felizes, ressalta da escrita do autor uma certa forma poética, diria quase nostálgica.

"Todos os anos, mulheres que vivem lá para o sul, ao pé do mar, atravessam as serras e espalham-se pelas planícies, para a monda e para o trabalho dos arrozais. Trazem cantigas alegres e falas rumorosas, e o povo das vilas junta-se nos largos para as ver passar a caminho das herdades. Nos primeiros dias da faina, à hora em que o manajeiro tem as palavras mais desejadas para os que andam curvados entre as espigas ou enterrados no lodo das várzeas, quando o sol desaparece e cigarras e ralos arrastam um traquinar que se perde pelos longes, as mulheres de ao pé do mar cantam coisas novas e coloridas."
Início do conto "Maria Altinha", página 137.

Manuel da Fonseca só escreveu dois romances (e só li um!), mas tem vários livros de contos e de poesia. Quando a 85ª Feira do Livro assentar arraiais no parque Eduardo VII - este ano com data marcada de 28 de maio a 14 de junho - vou ver se encontro algumas dessas obras em prosa, pois gosto bastante da sua escrita.

11 comentários:

  1. Bem, não só aguçaste a minha curiosidade, Teté, como também a minha vontade de comprar esse livro de contos de Manuel da Fonseca, de cuja obra, só conheço a poesia.

    Comecei a ler OS CRIMES DO MONOGRAMA. Mais tarde dou a minha opinião.

    Desejo-te um dia muito feliz!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hoje à tarde encomendei este livro na livraria aqui de Gaia, uma vez que já tinham vendido todos os exemplares.

      Vamos lá ver se também gosto.

      Beijocas portuenses!

      Eliminar
    2. Espero que gostes, EMATEJOCA, ou melhor, suponho que vais gostar! :)

      Beijocas para Gaia!

      Eliminar
  2. Aprecio a sua escrita e li quase tudo dele.

    Mas não há como evitar dizer que era esplendoroso, isso sim, ao vivo !!

    Tive o imensurável prazer e privilégio de o ouvir , ainda que só uma vez...e ainda guardo bem viva a memória!

    Abraços , linda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu não li quase nada do escritor, SÃO, daí ir vasculhar a feira do Livro quando chegar a altura... :)

      Abraços!

      Eliminar
  3. Um dos meus livros de referência!! Li-o nos anos 80 e nunca mais me esqueci dele! Que prosa!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Percebo-te lindamente, GRAÇA! :)

      Eliminar
  4. Não me recordo se li algo dele. Provavelmente não.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tinha lido Cerromaior aqui há alguns anos e fiquei com vontade de ler mais, CATARINA. Quando encontrei este livrinho em "saldo" aproveitei para o comprar, mas só o li agora. Valeu a pena! :)

      Eliminar
  5. Cerromaior está aqui mesmo "ao lado". Já faz tempo que o li. E também um outro: o fogo e as cinzas e contos algarvios.
    Mas como digo já os li faz muito tempo. Como tenho um hábito de re-leitura...
    Porque "sabe" bem ler os seus contos e romances.
    Beijokas escritas com sorrisos :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Cerromaior" foi o único livro que tinha lido dele, KOK! E fiquei com vontade de ler mais, agora calhou encontrar este. Mas este ano vou procurá-lo melhor na feira do Livro... :)

      Beijokas e sorrisos, sempre!

      Eliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)