quarta-feira, 7 de novembro de 2012

GATOS E MAIS GATOS

Se ao começar a ler este livro pensei que iria conhecer um enredo consentâneo com uma autora laureada  com o Nobel da Literatura, depressa descobri que não seria o caso: a escrita de Doris Lessing está lá, evidentemente, mas do modo mais despretencioso possível, evidenciando apenas uma das suas facetas - a enorme atração que sempre sentiu por gatos. Ou, dito de outra maneira, estas 165 páginas poderiam ter sido intituladas como "Os gatos da minha vida" ou algo do género. 

Nitidamente autobiográfico, as personagens humanas diluem-se em mãe, pai, ela própria e um vago nós (referindo-se às pessoas que com ela viviam em determinada época), concedendo todo o protagonismo aos felinos. Na verdade, o livro é composto por duas histórias, a primeira escrita em 1967 e a segunda em 1989, embora nesta última refira novamente a gata cinzenta, protagonista da história anterior. De qualquer das formas, ambas as histórias não são inteiramente cronológicas, por vezes recordam a meio episódios ocorridos com outros gatos.

A gata cinzenta e a gata preta, que coexistiram simultaneamente na sua vida, rivalizaram sempre pela sua atenção. Mas a autora demonstra algum arrependimento por uma decisão que sentenciou o destino diferente de ambas: a cinzenta foi "preparada", a preta não! E se a primeira se tornou solitária e numa insensível torturadora e caçadora de ratos e pássaros, que exibia como troféus, embora se recusasse a comê-los, a segunda dedicou-se aos prazeres da maternidade, dando à luz ninhadas atrás de ninhadas, que educava com desvelo até serem entregues a gente da vizinhança. E ainda "chamava um figo" às vítimas da outra, já desinteressada das infelizes criaturas...

Noutra fase e com outros dois gatos, a escritora encontra Rufus, um gato abandonado e doente, que intencional e lentamente se aproxima dela (ou assim interpreta a escritora), no intuito de encontrar novamente um lar. Esta segunda história é mais curta e comovente, revelando o enorme carinho da autora pelos bichanos. Que partilho, daí ter gostado tanto desta leitura tão singela quanto aprazível - se bem que, eventualmente, possamos estabelecer algum paralelismo entre o comportamento dos felinos e dos seres humanos!

Citações:

"A gata teve quatro gatinhos, e o filho ficou sentado a seu lado durante o parto olhando, lambendo-a nas pausas de trabalho, e lambendo os gatinhos. Tentou meter-se no ninho com eles, mas levou uma patada nas orelhas por esta recaída no infantilismo."

"«Todos os dias», disse ele, amargo, amargo, «telefonam. Eu vou. Há uma árvore linda. Levou cem anos a crescer - o que somos nós comparados com uma árvore? Eles dizem, corte a árvore, está a estragar as minhas rosas. Rosas! O que são rosas, comparadas com uma árvore? [...]»"

"Tudo isto se passava na cozinha, geralmente na cadeira, que ele tinha medo de deixar. O seu lugar. O seu pequeno lugar. O seu buraquinho na vida. E quando saía para a varanda, vigiava-nos, não fosse o caso de lhe fecharmos a porta, porque mais que tudo, receava ser fechado fora da porta, e se fizéssemos qualquer movimento parecendo que iríamos  fechar a porta, ele apressava-se dolorosamente para dentro de casa e para cima da cadeira."

17 comentários:

  1. Como amante de gatos/as tenho que ler! :))
    Obrigada pela informação!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Suponho que todos os que gostam de gatos/as gostarão de ler, ROSA! :)

      Abraço

      Eliminar
  2. Conheço a autora, mas não me lembro de ter lido algo dela.

    Apaixonada por felinos , sempre fui...mas tive uma lindissima e meiga cadela dálmata que encheu o meu coração.

    Que tenhas bom dia , sem a chuva que aqui cai.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Confesso que até ela ter recebido o Nobel, SÃO, não fazia a mínima ideia que esta escritora existia. Segundo li por aí, a maior parte das suas obras mais recentes são de ficção científica, que é coisa que não leio... ;)

      Há sempre animais que nos cativam mais que outros, a "discussão" se se gosta mais de cães ou gatos parece-me árida: depende dos bichos com quem tivemos mais contato! :)

      Por aqui também caiu aquela "molha tolos" - e desprevenidos, que se põe junto ao semáforo, sem contar com condutores apressados e descuidados que parece fazerem questão de passar com as rodas nas poças de água... :P

      Bons sonhos!

      Eliminar
  3. acho que ela devia ter uma alimentação mais variada!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E tinha, VÍCIO, aquilo era mais um "pitéu" para gatas gulosas! :)

      Eliminar
  4. Conheço bem a obra de Doris Lessing, mesmo muito antes de ela ser a 11ª mulher a ganhar o Prémio Nobel de Literatura.

    Como também gosto muito de gatos, não admira, que tenha comprado e lido este livro, na tradução alemã.

    The Golden Notebook também gostei muito de ler, mesmo sem gatos.

    Abração da amiga de longe, que acha a Noite dos Óscares muitíssimo mais agradável do que a de ontem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Calculei que já terias lido, EMATEJOCA! Mas eu não a conhecia antes disso. E sim, essa parece que é uma das suas obras mais célebres, mas por cá muitos dos seus livros estão esgotados e os que não estão têm preços exorbitantes! Não se entende...

      E sim, imagino que a noite dos Oscares costume ser mais divertida! Já que não tenho termos de comparação com noites de eleições americanas... :)))

      Abraço

      Eliminar
  5. Fiquei com a pulguinha a saltitar de tanta vontade de ler.
    Será porque me apaixonei por gatos ou pela simplicidade da escrita?
    Nada conheço da laureada. Talvez seja desta.:))

    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se calhar pelas duas razões, NINA! Este já estava aqui na estante há uns tempos (foi oferecido ao maridão), mas ainda não tinha calhado!

      Beijocas!

      Eliminar
  6. Concordo em pleno, é 1 livro sem qualquer pretensões. É um ensaio sobre gatos, os da autora.
    É o único que li de Doris Lessing (devo ter escrito qualquer coisa no SILÊNCIOS..).
    Vou fazer uma confidência: a minha gata chama-se Doris, e não foi por acaso que dei-lhe esse nome..

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se calhar é por não ter essas pretensões literárias que se lê tão bem, MIGUEL! Porque também nunca li mais nenhum da escritora... :)

      Essa da tua gata se chamar Doris tem piada! :D

      Eliminar
  7. post scriptum: existe uma edição anterior a esta, com ilustrações; também da Livros Cotovia.
    Nunca vi em lugar nenhum, deve estar descontinuada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo que li no site da FNAC, há uma série livros dela que estão indisponíveis, o que aponta nesse sentido, MIGUEL! Não se entende... ;)

      E sim, esse das ilustrações também lá consta!

      Eliminar
  8. Curioso que ao ler a 1ª citação, fez-me recuar aos meus tempos de criança, sempre que essas situações aconteciam ! ... e eu ali ao lado, muito quietinho a apreciar o "esforço", o "amor", e os cuidados que a gata mães de imediato lhes dedicava !
    Imagens que ficam para sempre ! Era a "andorinha" e os seus filhotes ! :)))
    Saudades !
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, há imagens que nos ficam na memória. E muitas vezes de coisas tão simples como essa tua "andorinha" a cuidar dos seus filhotes... :)

      Com peso e medida, saudades e boas lembranças são bem-vindas! :D

      Eliminar
  9. Anónimo8/05/2014

    Excellent post however , I was wondering if you could write
    a litte more on this topic? I'd be very thankful if you could elaborate
    a little bit further. Appreciate it!

    Look into my blog post - Dean Graziosi

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)