terça-feira, 15 de maio de 2012

ESPERANÇA


Fotografia de Ian Britton

Tantos anos vividos na demanda de um “príncipe encantado”, para chegar à conclusão que afinal tal personagem não existia? Eram apenas rapazes e homens de carne e osso, com as suas qualidades e defeitos, como ela própria, muito longe de qualquer magia ou fidalguia...

No dia e hora em que percebeu que esses heróis estavam reservados para os contos de fadas, sentiu-se livre! Esqueceu deceções, ciúmes, mentiras, deslealdades e traições, passou a viver a vida como cada momento fosse o último. Talvez a inesperada morte do pai e a da avó, poucos meses depois, tivessem contribuído para esse modo de estar. Certo é que as noites eram tão longas quanto os dias, em danças, contradanças e copanadas, até o sol raiar! O cometa Halley teve influência nesse comportamento estranhamente desvairado? Ainda está por apurar, mas loucura era, de certeza!

A irmã e a maior parte dos amigos mais antigos casaram, alguns tiveram filhos, ainda os encontrava de vez em quando. Já não tinham a mesma pedalada para as noitadas, nem as conversas sobre fraldas e afins lhe interessavam por aí além, mas gostava de os rever, embora já a considerassem como a “solteirona” de serviço...

Os convites para casamentos não faltavam e, no de uma dessas amigas de longa data, ali para os lados de Azeitão, reencontrou quase todos. A cerimónia religiosa (em que o padre proibiu os noivos de se beijarem no final, porque “na minha Igreja, não!”) e o copo d'água que se seguiu proporcionaram-lhe momentos de agradável convívio. Até que a páginas tantas, um ex-namorado (já casado) a arrastou pela sala, para ir passar a mão na careca de um tio da noiva que, segundo rezava a lenda, era prodigiosa para arranjar casamento rapidamente. Recusou, mas o tio garantia que sim, que resultava e não se importava nada, e incentivada por outros amigos em redor, lá fez o papelão mais humilhante da sua vida. (perdoou tudo a esse ex, menos essa humilhação!)

O cometa já tinha desaparecido do horizonte, as noites já não eram tão longas e também serviam para dormir, o trabalho obrigava a esse descanso. As férias eram passadas em Caminha, num pequeno apartamento familiar. Nesse mesmo ano, em que decidira cultivar mais a amizade do que qualquer perspetiva amorosa, rumou ao norte conjuntamente com outra amiga solteira. Nem se lembram como, mas tiveram conhecimento de uma tradição local, em que bastava pôr uma velinha numa capela específica, para o casório estar à vista. Riram e gostaram da ideia: mal não fazia, de certeza! E lá foram as duas depositar uma velinha nesse altar, apesar da fé diminuta...

E não é que resultou... para ambas?

"Esperança" é o terceiro tema da blogagem coletiva da série "Amor aos Pedaços", numa iniciativa conjunta dos blogues da Luma Rosa, da Rute e da Rosélia.

55 comentários:

  1. Gostei da historia. Não conhecia essa de passar a mão na careca do tio para arranjar marido.
    Também estou participando da blogagem
    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Isso é que era mesmo vontade de casar...

    Espero que tenham vivido felizes para sempre :)

    Gostei da tua "Esperança" :)

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  3. Gostei .


    Participei, mas muito pouco inspirada, que de esperança tenho quase nada.

    Bons sonhos.

    ResponderEliminar
  4. Olá
    Participando da coletiva, passei para ler sua participação que nos proporcionou uma caminhada esperançosa em busca do amor. Será que com o resultado da simpatia chegaram ao "foram felizes para sempre"?
    bjs

    ResponderEliminar
  5. Ah ah ah.
    Gostei muito do texto.
    Vou aprendendo com vocês.

    Então é simples assim? Basta botar velinha no santo e passar mão na careca do tio? Esperança promove a crença, sem dúvida!!

    Bem retratado o tema. Adorei.
    Beijinhos.
    Rute

    ResponderEliminar
  6. Juntas na esperança!
    bjs Sandra
    http://projetandopessoas.blogspot.com//

    ResponderEliminar
  7. esqueceste-te de dizer se a noiva tinha mesmo um tio careca...

    ResponderEliminar
  8. E eu que sou fã da tua escrita, saio daqui com um sorriso.
    Essa da mão na careca também desconhecia, mas lá na minha terra, se "varressem os pés" a alguma solteirona, era chatice na certa.:)
    beijocas

    ResponderEliminar
  9. Também participo desta blogagem coletiva. O que levou ambas a casarem foi a fé e a esperança. Juntas movem o mundo.
    Big Beijos

    ResponderEliminar
  10. Aí está uma coisa em que não teria coragem de me meter, um desafio desses. A propósito, gostei do teu texto, Teté :)

    ResponderEliminar
  11. Essa da careca é bem original - e humilhante mesmo, se for contra a vontade da pessoa. Adorei o texto, leve, abordando a esperança de uma forma descontraída. Vai ver que, no fundo, ela nunca a tenha perdido.

    Grande abraço.

    ResponderEliminar
  12. Olá,
    "O que me importa o tempo e o espaço,
    Se trilhei caminhos orvalhados
    Em busca do calor do teu abraço?"
    (Auxiliadora)

    Fé diminuta do tamanho do grão de mostarta???
    Não importa: Deus é bem maior do que a nosa falta de esperança!!!


    Concedei-lhe, ó Deus, prodigamente, o ORVALHO DO CÉU...
    Até o próximo mês, se Deus quiser!!!
    Abraços esperançosos de paz

    "Jamais desista de ser feliz, pois a vida é um espetáculo
    imperdível, ainda que se apresentem dezenas
    de fatores a demonstrarem o contrário."
    Fernando Pessoa.

    ResponderEliminar
  13. MAS QUE ENGRAÇADA HISTÓRIA A TUA,a eSPERANÇA É A ULTIMA A MORRER E QUEM ESPERA SEMPRE ALCANÇA,BEIJINHOS

    ResponderEliminar
  14. Brilhante a sua participação, Teté, na BCAP deste mês! Uma história que tem muito da minha... quando eu desisti de encontrar minha "outra metade", minha afilhada me deu de presente um tercinho "Coroa de Santo Antônio" e eu, mesmo na dúvida, rezei como mandava e não é que no ano seguinte consegui encontrar a "minha metade"? A gente não pode é perder a esperança, né? Também estou participando. Bjks Tetê - Avaliando a Vida

    ResponderEliminar
  15. As minhas duas melhores amigas, uma portuguesa a outra alemã, são solteiras.
    Não, porque não tivessem pretendentes, ambas loiras e muito bonitas, mas nunca quiseram casar.

    O que eu quero dizer, porque é que esta personagem quer casar?

    Na história do Carlos, também a Cátia Janine quer casar à força.

    Não há ideais mais nobres do que pescar um fulano?

    De qualquer modo, ambas as histórias são muito interessantes.

    Saudação de Berlim do duo Merkollande!!!

    ResponderEliminar
  16. Gostei muito, simpatia muito engraçada do tio careca, rs.
    Beijos

    ResponderEliminar
  17. Não conheço esse prodígio de Caminha, das carecas ouvi falar, mas verdadeiramente prodigioso parece ser Santo António que já conseguiu casar muitas encalhadas :-)))
    Também em Amarante há um S. Gonçalo a quem meninas em idade casadoira reza(va)m uma oração que dizia assim:
    " S. Gonçalo de Amarante
    Casai-me, que bem podeis
    Já tenho teias de aranha
    No sítio que Vós sabeis"
    Peço desculpa pela brejeirice, Teté. Espero que não leve a mal, mas isto é puramente verdade e sei de algumas meninas que a rezaram.
    Pronto, deve ser culpa da anestesia que hoje levei na dentista. Destravou-me a língua...
    Esteja à vontade para eliminar o comentário...

    ResponderEliminar
  18. esperança é estarem 3 pontos em disputa, o benfica estar a 4 pontos do primeiro lugar e acreditar que ainda é possível. não é tão bonita como a tua, mas também é uma história de esperança :P

    ResponderEliminar
  19. Por muito que quem está só diga que assim é que está bem, não acredito que não tenha esperança de vir a ter alguém. Com ou sem casamento claro. :)

    ResponderEliminar
  20. Muito interessante a estória!
    E ... a papoila também é uma flor!
    Beijinho Teté!

    ResponderEliminar
  21. A TODOS e para descanso dos carecas deste país e arredores: não existe nenhuma lenda/tradição em que passar a mão pela careca de um tio da noiva resulte num futuro casório... :))

    Havia sim a tradição, em Azeitão, que a careca daquele homem específico possuía essa "magia". Por acaso, ele também era tio da noiva! :D

    ResponderEliminar
  22. Já expliquei acima que a "lenda" não era essa, ELVIRA! :))

    Já li e comentei! :)

    Abraço!

    ResponderEliminar
  23. MARIA, existem mulheres e homens que não têm vontade de casar (no sentido lato do termo) e outros que, por acasos da vida, nunca casam! A diferença entre uns e outros é abismal... :)

    Essa do "felizes para sempre" também pertence aos "contos de fadas"... :))

    Obrigada e beijocas!

    ResponderEliminar
  24. Há dias assim, sem inspiração ou motivação, SÃO! Importante é que não sejam todos, porque dias melhores virão, se fizermos por isso... :)

    Carpe Diem!

    Bons sonhos para ti!

    ResponderEliminar
  25. Bem-vinda, NORMA!

    Há caminhadas que valem sempre a pena, embora o "prémio" final não seja essa felicidade eterna, como nos contos de fadas... :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  26. Obrigada, RUTE!

    Com maior ou menor crença, importante é que haja esperança. Sempre! E não, também não acredito em botar velinha ou em gente com "dons" desses... :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  27. Bem-vinda, SANDRA!

    E que a esperança se mantenha sempre... :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  28. Não era qualquer tio careca, VÍCIO, mas aquele homem especificamente, que por acaso era tio da noiva e careca... =))

    ResponderEliminar
  29. Obrigada, RAINHA! :))

    ResponderEliminar
  30. "Varrer os pés" ou ficar "sentada ao canto da mesa" são tradições populares, NINA!

    Aquele homem é que dizia que a careca dele tinha aquela capacidade, não qualquer careca de qualquer tio! :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  31. Bem-vinda, LULU!

    Fé não seria, mas esperança não faltava... :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  32. O desafio ou o tema, VIC? Às vezes até é mais fácil escrever sobre um determinado tema, que há sempre muitas maneiras de lhe pegar... :)

    Obrigada!

    ResponderEliminar
  33. Bem-vindo, LUCIANO!

    Segundo ele dizia a sua careca já tinha levado muitas encalhadas ao casamento, ele até fomentava a "lenda"! Agora para quem não o conhecia mais gordo e não acreditava nessas coisas, pois, só por muita insistência do próprio e dos amigos... :))

    Abraço!

    ResponderEliminar
  34. A esperança nunca falta, ORVALHO, a fé é que não é igual para todos! Felizmente! :)

    ResponderEliminar
  35. Bem-vinda, XUNANDINHA!

    Isso de esperar sentado normalmente não é boa ideia! Além da esperança, há que tentar sair da "concha", viajar... :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  36. TETÊ, tentar não custa, ainda por cima não magoa ninguém... :))

    Claro que não se pode perder a esperança! Nunquinha! :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  37. Querida EMATEJOCA: como já disse anteriormente, há pessoas que decidem não casar! E estão no seu direito, logicamente! :)

    Mas arrisco-me a afirmar que a maioria prefere uma vida a dois, ter com quem partilhar bons e maus momentos! E entre esses há aqueles que nunca encontram alguém que se ajuste ao que sonharam ou, pior, viram os seus sonhos transformados em pesadelos... ;)

    Claro que há ideais muito nobres, mas cada um é que tem de saber quais são os seus! Que saiba também não foste para missionária em África, que é muito mais nobre realmente! Mas é preciso vocação... :D

    E sim, também tenho amigas e amigos solteiros. E divorciados. So what? Não deixam de ser amigos por isso...

    Saudações para ti!

    ResponderEliminar
  38. Bem-vinda, MARY!

    Obrigada! Simpatia era a do homem que julgava ter uma careca casamenteira... :))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  39. CARLOS BARBOSA DE OLIVEIRA, a capela não era em Caminha, mas numa vila dos arredores. Mas sei que existem outras por esse país fora... :))

    Essa reza não conhecia e obrigada por a partilhar! Não tenho nada contra brejeirices, nem calão, nem palavrões, nem nada, desde que não sejam ofensivos para ninguém... :D

    A do tio careca era só a daquele homem, que acreditava que a sua tinha essas "potencialidades". Por acaso, também era tio da noiva! Convém salientar, para os carecas deste país não sofrerem horrores nos casamentos... =))

    ResponderEliminar
  40. Ahahah, MOYLITO, também há esperanças irrealistas... :D

    ResponderEliminar
  41. Até acredito que existam pessoas que preferem estar sós, LUISA, e outras que preferem dizer isso porque nunca calhou encontrarem alguém ou o que encontraram foram verdadeiros pesadelos... :)

    No entanto, tal como tu, acredito que a maioria prefere uma vida a dois, partilhada! Casamento, aqui, está no sentido lato de vida em comum ou amizades "coloridas"... :D

    ResponderEliminar
  42. A papoila é uma flor e a túlipa também, KIM!

    Obrigada e beijocas!

    ResponderEliminar
  43. "Botar fé" ou fazer uma simpatia, nada mais é do que alimentar o nosso pensamento com uma boa intenção. Isso é Esperança! Acredito na lei da atração, onde você alimentando uma ideia, ela terá chance de realização.
    Gostei muito, Teté!! Espero que não tenha sido uma história inventada, porque seria uma boa história real! Depois conta se voltou a acreditar em príncipe ou se a sua esperança ficou marrom (rs*) Beijus,

    ResponderEliminar
  44. Olá, Teté!

    O tom bem humorado me atrai muito! Energia up, muito bom.

    Não sei quanto a você, mas me incomodam muito os "papéis sociais" aos quais somos obrigados a nos reduzir. Haja terapia depois pra entender que vc não é "aquilo"! Muito menos SÓ aquilo que escreveram no seu rótulo!

    Ao longo da história, as mulheres sempre ansiaram liberdade, poder de escolha, exercer sua personalidade sem cobranças! Ser livre pra ser, simplesmente. Daí o feminismo, as batalhas, os pacotes de ironia, sarcasmo e desprezo pelo próprio desprezo que sempre sofreram. Hoje em dia, digamos, a tal "liberdade" para ELAS está em alguns pontos da lei, mas no contexto social... Não. Permanecem preconceitos e discriminações. Sua personagem sofreu muito, o momento no momento da humilhação, tive ímpeto de entrar na estória e ir tirar satisfações! O final foi divertido e apesar de eu ter me deixado levar pelos pensamentos no decorrer do enredo, visualizei a esperança no desfecho.

    Que a esperança das mulheres seja para encontrar um amor, sim, mas só se assim se desejar! Não para fugir de rótulos sociais caducos.

    Um abraço, foi um prazer de leitura.

    Michelle

    ResponderEliminar
  45. LUMA, os episódios são verídicos, mas apenas parte de uma história muito mais longa, que não cabe aqui relatar! :)

    Mas a Esperança é isso mesmo: alimentar sonhos e tentar que eles se realizem! Com os príncipes arrumados na gaveta, fica mais fácil entender que um companheiro não precisa de ser perfeito, tal como nós não somos! :D

    Obrigada e beijocas!

    ResponderEliminar
  46. Bem-vinda, MICHELLE!

    Tal como tu, também odeio rótulos - raramente a pessoa é apenas aquilo com que a rotularam! Gay, solteirona, preto/amarelo/branco, cristão/ateu e por aí fora, há uma infinidade de rótulos que são apenas uma faceta mínima de determinado ser humano...

    Essa é uma das coisas que algumas pessoas não entendem... :)

    Abraço feminista para ti, de uma convicta, que não queima soutiens! :))

    ResponderEliminar
  47. Michelle, que história de esperança linda! E muito bem contada. Beijos.

    ResponderEliminar
  48. Muito boa história! Também participo mas ainda não postei. Até domingo posto o meu texto. Olha, estive na igreja de Sto Antonio, fiz meu pedido e até agora...rsrs
    Mas como também tenho esperança, vou vivendo nessa lambança.
    Bjs

    ResponderEliminar
  49. Bem-vinda, VIRGINIA!

    Obrigada e beijocas! :)

    ResponderEliminar
  50. Bem-vinda, ROSELI!

    E se calhar manter a esperança vale mais que todas a velinhas... :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  51. Ri muito com a história da careca... ah perdoa ela, vai? Coitadinho, ele teve boa intenção! rsrs
    Mas as coisas acontecem quando têm que acontecer, quando menos se espera pois, afinal, nunca perdemos a esperança, não é mesmo?
    Bjs.

    ResponderEliminar
  52. Bem-vinda, DALVA!

    Claro que as coisas acontecem quando têm de acontecer, não será por qualquer careca ou velinha que elas chegam a bom porto... :)

    O "perdoar" aqui é relativo, mas a intenção não era boa, não. Feelings... ;)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  53. Ahahhaa, nao conhecia tradição do tio careca.
    Mas foi a careca do tio ou a vela branca que ajudou-as?
    Vai se saber, não é?
    A esperança é a ultima que morre e mai que isso: o amor vem quando deixamos de buscá-lo.
    Adorei o post.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  54. Foi a esperança, sem dúvida, LU! :))

    E sim, às vezes essa busca incessante não nos deixa ver o óbvio... :D

    Beijocas e bem-vinda!

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)