sexta-feira, 15 de junho de 2012

QUESTIONAMENTO


Naquele sábado, pôs fim a todas as hesitações que se agigantavam na sua cabeça há muito tempo... talvez até demais! Mas já não conseguia controlar os pesadelos constantes que lhe atormentavam as noites e lhe ensombravam os dias, sem nenhuma certeza do que era sonho ou realidade!

Aquilo que se preparava para fazer parecia-lhe uma traição. Contudo, a ocasião era única, com a ausência dos filhos e do marido: os rapazes de férias com tios e primos, ele numa viagem a Paris, para uma reunião de negócios importante e inadiável. O silêncio ecoava entre as paredes da casa vazia, também não haveria lugar a surpresas de última hora...

Pôs uma música suave a tocar na aparelhagem e abriu uma garrafa de vinho branco, que pusera previamente a refrescar no congelador. Bebeu um pequeno gole da bebida, num travo fresco e frutado, embora ligeiramente amargo. Sabia de antemão que não ia resistir àqueles olhos negros que cintilavam de longe, como se chamassem os seus braços na sua direção, sopesando a força dos verdadeiros sentimentos.

Timída, tocou-lhe de leve na capa escura, retirando-a dos seus ombros. Insaciáveis, os seus dedos procuravam tocar na tecla exata, sem perder tempo com pormenores desnecessários, mas desvendando cada segredo daquele corpo...

Três horas depois, fechou a tampa negra e brilhante do computador portátil, que o marido esquecera em casa durante aquela reunião de fim de semana. E teve a certeza que a maior traição... não era a dela!

Deitou-se e adormeceu de seguida, sem sombra de qualquer pesadelo!

§ único – Esta estória acaba aqui? Depende de quererem (ou não) dar-lhe um outro final, que poderão acrescentar na caixa de comentários...  Escolha múltipla, topam?
 
Trata-se  da quarta e última blogagem coletiva da série "Amor aos Pedaços", iniciativa conjunta dos blogues da  Luma Rosa, da Rute e da Rosélia. Parabéns a elas, por motivarem tanta gente a escrever sobre amor... ainda que aos pedaços! 

BOM FIM DE SEMANA!
Imagem do facebook.

41 comentários:

  1. Esta história lembra-me uma outra que li numa revista portuguesa, durante uma estadia no Porto, e a autora era a Alice Vieira.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo6/15/2012

    Uma extraordinária iniciativa.:)

    Em tempos criei um blogue de contos conjuntos. Eu e a nequinha (a minha maior aliada na escrita) divertimo-nos muito por lá, naqueles 2 mesitos em que esteve online.
    Depois, como a adesão não era muita,eliminei-o...mas que era engraçado, lá isso era!:)
    Talvez aqui volte à noite e ainda possa escrever alguma coisa.
    beijinhos e um excelente dia
    Nina

    (ainda com problemas no blogger-tens razão, a lata deles é do melhor que há:))

    ResponderEliminar
  3. Que gira a iniciativa, é pena os meus dotes de escrita serem fraquinhos, pode ser que perca a vergonha e me aventure :)

    ResponderEliminar
  4. Gosto destas iniciativas, só tenho pena de os meus dotes de escrita serem muito fracos, deixo isso para os dotados :)

    ResponderEliminar
  5. Olá!
    Uma pequena história bem escrita.
    São duas traições, mas a maior não era dela, é verdade!
    Bom fim-de-semana.

    ResponderEliminar
  6. Olá, olá, olá :)))

    Tiveste saudades minhas? :p Eu tive muitas de tu :)))

    A ideia é gira, como a Nina disse fizemos isso num blog que ela teve e foi super giro...os meus dotes de escrita são muito fraquinhos, mas...durante 3 anos fizemos muitas vezes isto num fórum onde eu participava, dávamos um final a uma história que alguém escrevia ou continuávamos uma história que alguém tinha começado...como não gostávamos de finais tristes dávamos sempre uma volta ao texto de modo a ter um final feliz ou um final diferente daquele que era suposto ter...nos contos em que cada uma acrescentava um ponto mudávamos o rumo do mesmo, muitas vezes com muitos disparates à mistura, mas que lida a hitória por inteiro ficava muitooooo gira. Saudadinha :((

    Prá tua história e baseando-me num episódio de uma série que vi há dias...

    "Ela descobriu no computador do marido que ele tinha organizado umas férias surpresa para toda a família, umas férias que seriam do agrado de todos, até do dela...sentiu-se traída, não só por ele ter escondido isto dela, como também pelo 3 meses que perdeu a organizar as férias desse ano, ao mais pequeno pormenor, como fazia todos os anos, desde que casaram..." :p

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  7. Também tenho que escrever sobre o amor, Teté. A minha vizinha do 161 diz que é um tema muito fofo ;)

    ResponderEliminar
  8. Olá Tête

    Um belo conto, momentos que antecedem descobertas. Incrível foi o "sono sem sombra de qualquer pesadelo", aí me confundiu; O que terá descoberto?

    Também estou na coletiva 'questionando", sempre questionando, senão nada vai pra frente.

    Beijos

    ResponderEliminar
  9. Belo conto!
    E não acrescentaria uma continuação. Pois o final está perfeito! Até porque no amanhã dela, virão outros questionamentos.

    Eu também estou nessa Blogagem :)
    Beijos,

    ResponderEliminar
  10. Bom texto. E o final fica ao nosso critério. Muito interessante.
    Li o texto de manhã, mas quando ia comentar a netinha acordou e reclamou a minha atenção.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  11. Uma excelente iniciativa, que nos tem permitido ler excelentes textos!
    Bom fds

    ResponderEliminar
  12. Olá Tete.
    Estamos nos questionando nessa blogagem coletiva e lendo textos super interessantes.
    Já estou "linkada" no seu blog.
    Bons fluidos.

    ResponderEliminar
  13. Se a traição é a que imagino, a estória acaba como a minha acabou: ruptura completa e assumida.

    Bons sonhos, memina

    ResponderEliminar
  14. Estas histórias são mais comuns do que imaginas, EMATEJOCA, tanto com computadores, como com telemóveis e assim. O que corresponde ao antigo vasculhar dos bolsos, pastas ou gavetas, quando havia uma desconfiança! ;)

    Como deves calcular, não leio tudo o que a Alice Vieira escreve, que ela tem crónicas na Activa e penso que em mais uma ou duas publicações periódicas! Se a história é parecida, garanto que é mera coincidência... que não me passa pela cabeça plagiá-la, obviamente!

    ResponderEliminar
  15. Os contos conjuntos podem resultar muito giros, NINA! Outras vezes não, evidentemente! Mas o importante mesmo é as pessoas divertirem-se, se o projeto lhes dá gosto... :))

    Beijocas e diverte-te na tua festa :D

    § - põe lata nisso!

    ResponderEliminar
  16. Às vezes, o mais importante não é escrever bem, gramaticalmente falando, RAINHA, mas expor as suas ideias... :))

    ResponderEliminar
  17. Obrigada, CARLOS II!

    Há muitos tipos de traições... por vezes o difícil é perceber qual é a maior! :)

    Igualmente para ti!

    ResponderEliminar
  18. Tive saudadinhas tuas, sim, MARIA! :))

    Só oiço gente a falar de fóruns, nunca participei em nenhum. Mas a verdade é que nem tudo o que leio/ oiço sobre eles acaba muito bem, com muitas discussões e desentendimentos. Se calhar o melhor é mesmo não conhecer essas facetas... se bem que um, desse género, não devia dar muito azo a isso! :)

    Mas obrigada pela tua participação, que não acrescento para já, mas sai um dia destes! :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  19. Se a tua vizinha do 161 o diz, VIC, é argumento de peso... =))

    ResponderEliminar
  20. Bem-vinda, VAN!

    Era suposto a história dar para os finais que quisessem imaginar, tanto felizes como mais tristes! :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  21. Também é verdade, LELLA, até porque a seguir a uma descoberta surgem sempre novas questões e equações a ponderar! :)

    Sê bem-vinda e beijocas!

    ResponderEliminar
  22. Pois fica, ELVIRA! Até porque há sempre várias maneiras de ler e interpretar a mesma história... :)

    E claro que a netinha é mais importante, os comentários podem ficar para depois! :D

    Abracinho!

    ResponderEliminar
  23. Também gostei muito da iniciativa, até porque me levou a passar para o teclado um tema que não costumo abordar, CARLOS! :))

    Igualmente para si!

    ResponderEliminar
  24. Adorei seu estilo!
    Estamos juntas na BC-Amor aos pedaços - O que é amar!!
    bjs Sandra
    http://projetandopessoas.blogspot.com//

    ResponderEliminar
  25. Bem-vinda, TERESINHA! :)

    Também gostei de todas as abordagens que li em relação ao tema! :))

    Bons fluidos também!

    ResponderEliminar
  26. SÃO, traições há muitas, até há quem as prefira desconhecer... e há sempre muitas leituras sobre a mesma história! E reações diferentes, perante o mesmo caso!

    Daí ter deixado ao vosso critério o final! :)

    Obrigada pela tua participação! :D

    Bons sonhos para ti também!

    ResponderEliminar
  27. Obrigada, SANDRA! :)

    Já vou lá espreitar a tua participação! :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  28. A mim também não me passou pela cabeça, que plagiasses esta história, Teté!!!
    Nem é a história em si, que me lembra as histórias da Alice Vieira que li na Activa, é mais o estilo da escrita.

    Abração e um fantástivo fim de semana com um Portugal a ganhar à Holanda.

    ResponderEliminar
  29. Oi Teté,
    que conto enigmático hein?
    Será a desconfiança uma traição?
    Eu nunca fui desconfiada mas olhe que a intuição me puxou para descobrir muita infidelidade...
    Beijo além-mar.
    Rute

    ResponderEliminar
  30. Estamos todos a torcer pela vitória de Portugal, EMATEJOCA! :D

    Quanto ao estilo de escrita, pois, penso que precisava de ainda comer muitas papas... :))

    Abração!

    ResponderEliminar
  31. Desconfiança nunca fica bem em lado nenhum, RUTE, a maior parte das vezes a intuição fala por si própria. Para comprovar, por vezes, é necessário recorrer a outros mecanismos... ;)

    Julgo que a estória não é tão enigmática assim, se bem que possa ter várias interpretações! :D

    Beijocas para esse lado do oceano e parabéns a todas pela iniciativa! :)

    ResponderEliminar
  32. Vou deixar guardada no meu baú, junto com outras perguntas que farei...
    Lindo texto...
    Participo da B Coletiva...
    Paz e bem

    ResponderEliminar
  33. Já tentei no meu blogue fazer algo como continuar a história nos comentários, mas de duas uma, inibição ou falta de criatividade.

    ----------------------
    "Deitou-se e adormeceu de seguida, sem somabra de qualquer pesadelo"

    Pois se antes os fantasmas do passado a assombravam, não mais! Amanhã novo dia, mais livre e solta, poderia rever seus planos e agir conforme sempre quis.

    -----------------------
    Teté, me desculpe somente agora passar pelo seu blogue, mas com visitas em casa e filho doente, está bem complicado. Eu tardo, mas não falho.

    Obrigada por participar da coletiva!!
    Beijus,

    ResponderEliminar
  34. Olá, BEL!

    Ainda não tive ocasião de ver a tua postagem, mas lá irei... fica prometido! :D

    Paz e bem para ti também! :)

    ResponderEliminar
  35. Eu é que adorei participar nesta blogagem coletiva, LUMA! :))

    Quanto aos vários finais - o que é diferente de começar uma estória e ter várias continuações até ao final - é verdade que nem sempre a inspiração e criatividade estão à tona, e nem sempre se consegue conjugar uns com os outros. Daí só ter pedido o final... :D

    De qualquer das formas, obrigada pela tua participação. E não tens de pedir desculpa de nada, evidentemente, que todos temos imponderáveis ou outros assuntos a tratar e que não podem ser adiados... enquanto a blogosfera pode esperar! :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  36. Oi Teté, tbém estou na coletiva e vim ver seu "questionamento", muito legal menina!
    Mas sabe amada, eu gosto de finais felizes. Então colocaria como final: " De alguma forma, a vida sempre segue, e todos viveram felizes para todo o sempreeeeeeeeee!!
    Bju amiga
    Marly

    ResponderEliminar
  37. Já fui ler e comentar, MARLY! :)

    Não és a única a gostar de finais felizes! :))

    Um dia destes publico cada final que foi dado aqui e acrescentarei o meu, mais realista! :D

    Obrigada e bem-vinda!

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  38. Quando ele voltou, o confronto. A desilusão dela cortavam-lhe a palavra a ele. Antes de explicações o cisão absoluta, inabalável e unilateral.

    Talvez ele não devesse ter mantido segredo. Uma relação constrói-se na confiança e na franqueza. Mas também descobrira que tinha aquela filha, de uma noite de maluqueira na última semana das férias grandes antes do ano de caloiro, havia poucos meses.

    O despeito da esposa, a quem jurara amor eterno, não lhe permitiu ver naquelas fotografias de uma rapariga de 20 anos e, sobretudo, naquelas mensagens de e-mail mais do que luxúria, quando de amor paterno se tratava.

    ResponderEliminar
  39. Gostei desse teu final, tão diferente dos restantes, MOYLITO! :)

    Vou atualizar e fazer chamada! :D

    Obrigada!

    ResponderEliminar
  40. Olá, querida
    Desculpe-me atrasar nos comentários mas é por causa nobre de uma Missão que dura já 3 meses... fico muito fora de casa...
    Vc colocou palavra intensa na área do questionamento: agigantar...
    Questionamento causa tanto mal estar mas, por fim, quando amenizado,é salutar sempre!!!
    Seja abençoada e feliz!!!
    Bjs de paz

    ResponderEliminar
  41. Obrigada pelas tuas palavras, ORVALHO! :)

    É, em certos questionamentos as coisas se agigantam dentro de nós, até encontrarmos a solução do problema. Ou julgarmos encontrar... :))

    Beijocas de paz para ti também!

    ResponderEliminar

Sorri! Estás a ser filmad@ e lid@ atentamente... :)